Notícias

Comprovante de vacinação é bem recebido pelos assistidos da Defensoria Pública

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 04, fevereiro de 2022 às 15:10

Comprovante de vacinação

Os usuários que utilizam os serviços da Defensoria Pública do Estado do Piauí na modalidade presencial, manifestaram otimismo após a implementação da obrigatoriedade do passaporte de vacinação para ingresso e permanência nas dependências da Instituição. A medida foi adotada por meio de portaria publicada no dia 27 de janeiro, com vigência a partir de sua publicação.

A portaria estabelece que todos os Defensores(as) Públicos(as), servidores(as), estagiários(as), colaboradores(as) e usuários(as) deverão apresentar comprovante de vacinação contra a Covid-19 para ingresso e permanência nas dependências da Defensoria Pública do Estado do Piauí, situadas em sedes próprias ou em prédios de outras instituições ou poderes.

De acordo com a medida, para ingressar na Instituição, o usuário deverá apresentar certificado/comprovante/caderneta/cartão de vacinação físico ou digital, emitido no momento da vacinação por instituição governamental nacional ou estrangeira ou institutos de pesquisa clínica. Além disso, será necessário apresentar documento de identificação com foto.

Na avaliação de Keyla M., que buscou o atendimento da DPE/PI acompanhada de sua filha Mariane, a exigência do passaporte de vacinação traz mais segurança para quem busca o atendimento da Instituição. “É muito importante a vacinação de todos. Pedir o comprovante, é uma forma de prevenir a doença. Me sinto mais segura, porque vai estar comprovando que a pessoa vai estar vacinada”, disse a assistida que já tomou três doses da vacina contra a Covid-19.

Para a pensionista Zilda S. da S., de 55 anos, que teve sua mãe com 85 anos de idade infectada pela Covid-19 e contraindo apenas sintomas leves, só comprovou a eficácia das vacinas oferecidas para a população. “O passaporte de vacinação é um termo de segurança, porque aí fica comprovado quem foi ou não vacinado. Me sinto mais segura! Tomei minhas três doses e não senti nada. Eu sou evangélica e dou Glória a Deus todos os dias, eu faço é abençoar. Eu consagro em nome de Jesus. Cuidei da minha mãe doente de Covid, 85 anos, e ela está muito bem e vacinada”, disse.

Outro assistido que também apoiou a medida adotada pela DPE/PI foi Rivaldo F. S. V., vendedor, que já tomou três doses do imunizante. Para ele, é importante estar imunizado e apresentar o comprovante de vacinação neste momento de altos índices de contaminação. “É uma forma de evitar a doença e tornar o ambiente mais seguro para que volte tudo ao normal. Estamos precisando que, de uma forma mais breve possível, tudo volte ao normal. Dois anos está demorando bastante”.