Notícias

Defensora Pública do Núcleo do Idoso e da Pessoa com Deficiência destaca a importância de políticas públicas para esse segmento

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 06, dezembro de 2021 às 21:52

Núcleo do idoso

A Defensora Pública Sara Maria Araújo Melo, titular da 1ª Defensoria Pública do Idoso, participou nesta segunda-feira (06) da entrega de tablets para as entidades que atendem as pessoas com deficiência em Teresina. A iniciativa foi da Secretaria de Estado para Inclusão da Pessoa com Deficiência (Seid) e a Agência de Tecnologia da Informação (ATI), em parceria com o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conede-PI).

Os aparelhos, que vão auxiliar na realização do projeto Piauí Inclusivo – Cadastro da Pessoa com Deficiência, uma iniciativa do Governo do Estado do Piauí, através da Seid, que é a responsável por colher os dados desse segmento da população e, todas as regiões do Estado.

Estão sendo beneficiados com os aparelhos entidades como a AMA-PI; ACEP; ADEFT; APADA; Down Te Amo; Pestalozzi; APAE-TE; ASCAMT; AMH; CIES; Ana Cordeiro; NAAH/S; Equoterapia; CAS e Conede-PI.

“Com este projeto, será possível conhecer a realidade das pessoas com deficiência dos 224 municípios do Estado, suas dificuldades e, a partir daí, buscar soluções através de ações de inclusão”, afirma o Secretário da Seid, Mauro Eduardo.

A Defensora Pública Sara Melo destaca o quanto esses equipamentos irão contribuir para a identificação das pessoas com deficiência, e suas reais necessidades. “A entrega dos tablets às associações e entidades que militam em favor das pessoas com deficiência vem exatamente concretizar uma política pública de recenseamento dessas pessoas, colocando o Piauí na condição de vanguarda nesse segmento. A necessidade surge por ocasião da implementação da vacinação contra a covid-19 em face das pessoas com deficiência, quando constatou-se o real desconhecimento da quantidade dessas pessoas, quem são e onde estão. Portanto, o recenseamento será de extrema importância para se conhecer quantos são, onde estão e quais as deficiências, de modo a facilitar aos gestores a implementação de políticas públicas destinadas a esse público”, afirma.