Notícias

Defensora Pública se destaca na apresentação do artigo Inclusão Social e Autonomia Feminina no Programa Bolsa Família em Congresso Internacional

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 21, novembro de 2019 às 20:54
Dra. Karla Andrade durante a apresentação do artigo no Congresso

Dra. Karla Andrade durante a apresentação do artigo no Congresso

A Diretora das Defensorias Regionais e titular da 2ª Defensoria Pública de Oeiras, Dra. Karla Araújo de Andrade Leite, apresentou nesta quinta-feira (21), artigo de sua autoria no IV Congresso Internacional de Direitos Humanos que acontece  até a sexta-feira (22), em Campina Grande, no estado da Paraíba, tendo como  tema “Direitos Humanos em um mundo em transformação”.

Congresso acontece em Recife até esta sexta-feira

Congresso acontece na Paraíba até esta sexta-feira

O Congresso Internacional de Direitos Humanos, tem por finalidade provocar o público acadêmico e setores da sociedade interessados, a refletirem sobre estes direitos diante do atual cenário mundial, compreendendo que os Direitos Humanos devem ser pensados como direitos básicos de todos, sejam eles civis, políticos, econômicos, sociais, culturais, difusos ou coletivos. Para os organizadores do evento, as conjunturas nacionais e internacionais vivenciadas atualmente necessitam da discussão sobre a valorização destes Direitos.

O artigo de Dra. Karla Andrade versa sobre “Inclusão Social e Autonomia Feminina no Programa Bolsa Família”,  e foi apresentado dentro da Área Temática Grupos Vulnerabilizados e as Violações Contra Direitos Humanos: o Desafio do Diálogo Democrático para a (Re)construção da Cidadania. Na construção do trabalho, Dra. Karla Andrade contou com a orientação dos professores Andreia Marreiro Barbosa e Marcell Leitão.

A Defensora Pública discorreu sobre a experiência. “Dialogar com outros estudiosos dos Direitos Humanos sobre a inclusão social e autonomia feminina conquistada através do programa Bolsa Família é uma oportunidade incrível para quem conhece a realidade da mulher sertaneja do Piauí. É inquestionável que o programa de distribuição de renda mínima, que foi desenhado no Brasil colocando preferencialmente a mulher como titular, promoveu efeitos transversais, que foram além do objetivo inicialmente previsto de romper as barreiras da pobreza e extrema pobreza. Para além disso, o Bolsa Família fez nascer o sentimento de pertencimento social da mulher beneficiária, e despertou novos horizontes ao quebrar a relação de dependência da mulher ao, até então, homem provedor. Sinto que pude contribuir com o debate sobre a reconstrução da cidadania ao trazer minha experiência profissional e meu artigo para um Congresso Internacional de Direitos Humanos sediado no Nordeste”, afirma Dra. Karla Andrade.