Notícias

Defensoria leva novas doações ao Parque Rodoviário

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 08, maio de 2019 às 10:04
Dra. Sheila de Andrade entregando os donativos para a moradora do Parque Rodoviário, Maria Helena

Dra. Sheila de Andrade entregando os donativos para a moradora do Parque Rodoviário, Maria Helena

A Defensoria Pública do Estado do Piauí levou, nesta terça-feira (07),  ao Parque Rodoviário, em Teresina, mais uma quantidade significativa de doações para as famílias vítimas da enxurrada ocorrida no bairro no dia 04 de abril.  As fraldas descartáveis e o leite em pó doados foram frutos de arrecadação de empresa de Teresina, que solicitou à Defensoria Pública que entregasse as doações, por depositar na Instituição a confiança quanto ao critério de entrega.

A Diretora Cível da Defensoria Pública, Defensora Pública Dra. Sheila de Andrade Ferreira, que integra a Força-Tarefa instituída pelo Defensor Público Geral, Dr. Erisvaldo Marques dos Reis, para apuração das responsabilidades e atendimento das pessoas atingidas pela tragédia, fez a entrega à moradora do Parque Rodoviário Maria Helena da Silva, que atualmente encontra-se alojada em uma sala da paróquia do bairro junto com a família, composta por 11 pessoas entre as quais 7 crianças. “Essa ação é muito boa. É ótima, maravilhosa. A gente só agradece”, disse Maria helena da Silva, explicando que as pessoas ainda enfrentam inúmeras carências no Parque Rodoviário, especialmente as relacionados a mantimentos e bens materiais que, embora poucos, foram perdidos durante a enxurrada.

“Acho extremamente relevante continuar a dar apoio para a comunidade, não só em relação as ações, pois sabemos que ainda tem um transcurso em relação ao PADAC,  em relação as possíveis indenizações e apuração dos culpados. Mas, além da parte não jurídica, essa parte social e humana é importante, porque  a medida que vai passando o tempo, as pessoas vão esquecendo o que aconteceu, esquecendo que as famílias perderam tudo. Então esse  acompanhamento cotidiano demonstra que a ação não ocorre só no momento da crise, no momento que aconteceu o desabamento, mas que  a  continuidade em relação a ação social e acompanhamento dessas famílias, é talvez até mais importante que aparecer aqui no momento imediatamente posterior a tragédia. Essa continuidade em relação ao acompanhamento social, humano e também jurídico, demonstra que a Defensoria não só se sensibiliza, como cumpre o seu papel no Sistema de Justiça”, disse Dra. Sheila de Andrade.