Notícias

Defensoria Pública busca parceria entre Centro Educacional Feminino e Casa de Zabelê

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 10, novembro de 2021 às 15:12

Parceria

O Defensor Público Afonso Lima da Cruz Júnior, titular da 4ª Defensoria da Infância e Juventude e substituto na 3ª Defensoria da Infância e Juventude, participou na última sexta-feira (5), de uma reunião com a coordenadora do Centro Educacional Feminino (CEF), Adriana Carvalho, e a coordenadora administrativa da Casa de Zabelê, Suely Coelho Pereira, com o objetivo de firmar uma parceria visando a ressocialização das menores em conflito com a lei, por meio de cursos profissionalizantes.

“Tivemos a oportunidade de conversar com a coordenadora da casa de Zabelê, que se mostrou muito solícita em acolher as reeducandas do CEF, visando um trabalho de ressocialização. Na última sexta-feira conhecemos a estrutura e ficamos encantados com a organização, com o conjunto de atividades que podem ser desenvolvidas com as adolescentes, com a possibilidade delas serem inseridas no mercado de trabalho. Este é o nosso papel de Defensor Público, buscar através de parcerias, ressocializar essas adolescentes. E felizmente as adolescentes vão ser acolhidas”, a afirmação é do Defensor Público Afonso Júnior.

WhatsApp Image 2021-11-09 at 13.44.22 (1)

 

Adriana Carvalho, coordenadora Geral do Centro Educacional Feminino (CEF), unidade de atendimento socioeducativo vinculada à Secretaria da Assistência Social Cidadania e Direitos Humanos (Sasc), fala sobre a proposta de parceria apresentada. “No dia 5 de novembro, estivemos com o Defensor Público Afonso Júnior, em visita à Casa de Zabelê, para conhecer funcionamento da unidade e firmar parcerias no intuito de oferecer cursos profissionalizantes para as socioeducandas, para que, da sua liberação do CEF, já tenham capacitações técnicas que lhe oportunizem acesso ao mercado de trabalho, e/ou renda financeira extra para apoio ao desenvolvimento do seu futuro. No momento em questão, ficou acertado que a Casa de Zebelê irá dispor vagas para adolescentes de até 18 anos incompletos, nos cursos existentes naquela unidade, sendo realizados no horário contrário ao pedagógico (escolar) do CEF, de forma a agregar conhecimentos e melhorar a formação das meninas”, explicou.

A primeira visita das socioducandas do CEF à Casa de Zabelê será realizada no próximo dia 16 de novembro, onde iniciarão o processo de integração.