Notícias

Gêneros e Direitos Humanos das Mulheres foi tema do 4º Módulo do Curso Defensoras Populares

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 17, outubro de 2022 às 10:18

Defensoras 1

 

Com início às 14h30 deste sábado (15), no Dia Da Professora e do Professor, a Defensoria Pública do Estado do Piauí (DPE/PI) promoveu o quarto módulo da edição 2022 do Curso Defensoras Populares, que tratou sobre ‘Gêneros/Direitos Humanos das Mulheres: Constituição, Lei Maria da Penha’. As ministrantes do módulo, respectivamente Verônica Acioly de Vasconcelos, titular da 2ª Defensoria Pública da Mulher e a Defensora Pública Lia Medeiros do Carmo Ivo, coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar da DPE-PI, abordaram a educação e promoção dos direitos humanos e cidadania para as mais de 140 participantes do curso que estiveram presentes no encontro.

A Abertura do módulo foi realizada pela idealizadora e coordenadora do Curso Defensoras Populares, Subdefensora-Geral do Estado do Piauí, Carla Yáscar Bento Feitosa Belchior, que destacou a importância da temática apresentada bem como o empenho das mulheres que participaram do encontro totalmente virtual. “Estamos aqui neste 15 de outubro, Dia das Professoras e dos Professores, que são as pessoas que eu gostaria de homenagear hoje […] Nesse encontro vocês vão poder apreciar a Verônica Acioly e a Lia Ivo tratando sobre gênero e direitos humanos das mulheres, com enfoque especial na Lei Maria da Penha. Desejo que nós tenhamos uma tarde especial muito rica em conhecimento. O módulo de hoje é muito importante, especialmente importante para quem se prepara, ou quem tem no projeto Defensoras Populares um lugar de fortalecimento e de atuação da sua luta enquanto liderança, enquanto mulher, e que deseja contribuir na sua comunidade, e principalmente quem deseja contribuir para a defesa e para a proteção de outras mulheres. Então eu tenho certeza que hoje será uma tarde de muito aprendizado, de reflexões importantes, vai ser um dia realmente especial e valioso para as defensoras populares”, afirmou.

A Defensora Pública Verônica Acioly foi a primeira palestrante do encontro, onde abordou temas ligados ao assunto proposto, como: noções de gênero, tipos de violência contra a mulher, avanços na legislação que trata sobre à proteção da mulher, medidas protetivas de urgência, bem como a aplicabilidade da Lei Maria da Penha.

“Aqui nas Defensoras Populares, a gente percebe uma uma necessidade muito grande das mulheres se expressarem e falarem, porque lá fora nós não somos escutadas. Então a escuta dessas mulheres é importante, uma escuta sincera, uma escuta atenta, uma escuta que não desvaloriza, que não coloca em dúvida e que não desestimula e que respeita essa mulher […] Então é importante que todas as instituições que trabalham com isso, e muitas dessas instituições falham nessa escuta, que a gente aprenda a escutar com este acolhimento, com a ideia e a complexidade que é sofrer uma violência de alguém que eu me juntei por amor, com alguém que eu tenho algum vínculo. A Lei Maria da Penha traz nessa perspectiva, esse atendimento multidisciplinar, de ter muitas vezes assuntos que a Defensora e o Defensor Público não tem conhecimento. Então precisa de uma escuta qualificada, uma escuta que não revitimize a mulher, que está tão abalada psicologicamente que ela nem tem condições nem de me contar a violência, então seria fundamental esse tipo de atendimento”, explicou a Defensora Pública Verônica Acioly, ao destacar a importância do projeto Defensoras Populares como um importante instrumento de diálogo e efetivação dos direitos das mulheres.

A Defensora Pública Lia Medeiros do Carmo Ivo, que coordena o Núcleo de Defesa da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar da Defensoria Pública do Estado do Piauí (DPE/PI), tratou sobre a atuação do Núcleo da Mulher, bem como apresentou o fluxo na rede de atendimento à mulher em situação de violência em Teresina, abordando todos os equipamentos especializados nessa rede.
“Eu acho que é algo muito importante para as Defensoras Populares, e é o que a gente acha que faz a diferença na prática, que é saber como fazer no dia a dia. Para algumas pode até parecer bobagem, mas às vezes saber de algumas coisas, antes mesmo de presenciar, ou antes mesmo de sofrer uma violência, saber o que é que a gente deve fazer de providência prática, onde procurar na rede de atendimento, isso realmente ajuda muito, principalmente para mulheres que de alguma forma atuam nas suas comunidades orientando outras mulheres, servindo de apoio e estendendo a mão para outras mulheres”, explicou.

Ao final, a Subdefensora-Geral, Carla Yáscar Belchior manifestou a satisfação com o encontro. “Agradeço aqui as mulheres que estão agora até o final desse que foi o nosso 4º encontro. Agradeço a todas as nossas Defensoras Populares que se empenharam para estar aqui hoje, porque é muito importante compreender como a violência de gênero se forma e se estabelece, como a Verônica explicou e compreender tudo que a gente tem de instrumentos, de políticas públicas, para combater essas violências contra as mulheres e combater a violência de gênero. A Lia Ivo foi perfeita aqui na sua fala, porque você além de você passar o que está à disposição das mulheres, enquanto sociedade, apresentou esse olhar mais crítico pontuando as falhas das estruturas e instituições, mas chamando a responsabilidade das Defensoras Populares, porque é a gente que faz a mudança, eu tenho certeza que saímos daqui tocadas e estimuladas”, finalizou.