Notícias

Núcleo de Direitos Humanos participa de nova reunião sobre Iaspi/PLAMTA

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 22, agosto de 2018 às 21:15
Dr. Igo de Sampaio se manifestou durante a reunião

Dr. Igo de Sampaio se manifestou durante a reunião

O Defensor Público, Dr. Igo Castelo Branco de Sampaio, Titular do Núcleo Especializado de Direitos Humanos e Tutelas Coletivas da Defensoria Pública, participou na manhã de quarta-feira, dia 22, de mais uma reunião no auditório do Ministério Público do Piauí para discutir a situação do Iaspi/PLAMTA. Representantes do Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (SINDHOSPI), a Superintendente do IASPI/PLAMTA, Daniela Aita, e outros prestadores de serviços estiveram presentes.

A reunião foi conduzida pelo Promotor de Justiça, Dr. Fernando Santos. Após o impasse que causou a suspensão dos serviços de saúde da rede credenciada pelo Iaspi/PLAMTA aos milhares de usuários, houve a necessidade de uma maior fiscalização e diálogo com todas as partes envolvidas. “Houve uma evolução graças aquela reunião. Contudo, vemos a necessidade de uma fiscalização e de uma maior democratização do espaço da discussão de como funciona o Iaspi/PLAMTA”, pontuou  Dr. Igo Sampaio.

Segundo o Defensor, a participação da Defensoria Pública dentro desse espaço de discussão aberto pelo Ministério Público na reunião desta quarta-feira, dá voz aos servidores e usuários do plano, já que boa parte são assistidos pela Instituição. “A Defensoria trabalha sendo a voz do usuário, do funcionário público que, muitas vezes, fica relegado dentro da discussão. Discutem de um lado o Iaspi/PLAMTA e o Executivo; discutem do outro os prestadores de serviços que são os hospitais; mas o servidor fica sempre silenciado. A ideia é de estarmos fazendo um trabalho de democratização dos espaços, discutindo desde a questão de composição no tocante aos aumentos de contribuição, aumento do repasse do Iaspi/PLAMTA aos credenciados e também, garantindo o direito fundamental à saúde, o direito fundamental a participação nesse debate”, disse.

Dr. Igo de Sampaio sugeriu uma comunicação mais eficaz do Iaspi/PLAMTA para com os usuários do plano, esclarecendo sobre serviços, reajustes e regulação do sistema. “A Defensoria Pública, através do Núcleo de Direitos Humanos, está contribuindo com essa discussão, sempre cobrando a necessidade de diálogo com o servidor, uma necessidade de comunicação e a questão de que precisa haver esse aumento, de regulação efetiva do Sistema, que seja feito de forma participativa e democrática”, finalizou o Defensor Público.