Notícias

Defensoria Pública participou da abertura da Conferência do Clima em Teresina

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 28, maio de 2024 às 13:30

 

defensor

O Defensor Público Igo Castelo Branco de Sampaio, titular do Núcleo de Direitos Humanos e Tutelas Coletivas da Defensoria Pública do Estado do Piauí, representou a Instituição na abertura da 2ª Conferência do Clima de Teresina, realizada na última segunda-feira (27), no SESC Cajuína. O evento contou com a participação de especialistas e autoridades e teve por objetivo debater ideias relacionadas ao meio ambiente.

Durante a Conferência, o Prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, assinou a Declaração das Cidades Circulares da América Latina e do Caribe, ao lado do Secretário Executivo do ICLEI América do Sul, Rodrigo Perpétuo. O compromisso voluntário propõe um modelo econômico sustentável, no qual a infraestrutura urbana, os produtos e os insumos são mantidos em uso pelo maior tempo possível, gerando valor para a sociedade e reduzindo o impacto ambiental. “Estamos trazendo para cá, um assunto complexo que é o viés do clima. Temos que focar mais nesse debate porque é importante. Teresina tem avançado muito nessa pauta e temos integrado importantes debates no país e no mundo. Precisamos buscar a harmonia com o meio ambiente e Teresina tem buscado isso e agora ainda mais com a assinatura deste compromisso mundial” afirmou Dr. Pessoa.

A Declaração das Cidades Circulares da América Latina e do Caribe é um documento de compromisso voluntário das cidades da América Latina e do Caribe, aberto a novos membros, para contribuir para a transição de uma economia linear para uma economia circular. A declaração desempenha um papel importante na promoção do consenso, aumentando o compromisso ativo da administração das cidades e outras partes interessadas, sublinhando a importância da colaboração para alcançar os objetivos globais e entre as cidades.

O Defensor Público Igo de Sampaio reforça a relevância do debate e o compromisso que é necessário ser assumido nesse campo. “As cidades podem desempenhar um papel de liderança nesta transição, implementando e partilhando novos modelos, considerando os impactos que possam interferir na busca por espaços mais sustentáveis e comprometidos com todo o esforço que é desenvolvido globalmente para minimizar os efeitos das alterações climáticas que vêm afetando a humanidade, a exemplo do ocorrido agora no Rio grande do Sul. A Defensoria Pública apoia essa iniciativa por vê-la como uma saída real para uma questão essencialmente grave que pode interferir negativamente no futuro do planeta e, consequentemente, da humanidade, caso não sejam tomadas medidas eficazes que demandam urgência”, afirma.

Com dados da PMT