Notícias

Defensoria Pública promove Inclusão e Cidadania durante 22ª edição do Salipi com Palestras e Atendimentos Jurídicos

Tamanho da letra A+ A-
Publicado em 14, junho de 2024 às 15:42

IMG_5792

A Defensoria Pública do Estado do Piauí realizou na manhã desta sexta-feira, 14 de junho, durante a 22ª edição do Salão do Livro do Piauí – SALIPI, uma edição especial do projeto “Cidadania com Café”, iniciativa desenvolvida pela Ouvidoria-Geral da Defensoria. O evento aconteceu no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí, às 9h, com a palestra magna “A Consciência é a Grande Revolução e Inovação das Nossas Vidas”, proferida pela jornalista Maia Veloso. A abertura do evento contou com a presença da Defensora Pública Geral do Piauí, Carla Yáscar Bento Feitosa Belchior.

Em seu discurso, a jornalista Maia Veloso falou sobre a importância do momento. “Na pauta ‘A consciência é a maior revolução das nossas vidas’. Público atento e diverso que me encheu de alegria pela atenção plena. Obrigada a Defensoria Pública do meu Estado pela lente e visão de validar a consciência como relevante para construção de lugares e iniciativas dignas e consistentes. Por mais encontros e eventos assim”, disse.

Na sequência, com início às 10h30, foi realizada uma Mesa de Debates que tratou o tema “Defensoria Pública e Diversidade”, com a participação das Defensoras Públicas Karla Araújo de Andrade Leite e Patrícia Ferreira Monte Feitosa; da vice-coordenadora do Grupo Matizes, Marinalva Santana, e da Defensora Popular Cláudia Lira.

A Defensora Pública Karla Araújo de Andrade Leite, Diretora das Defensorias Regionais e idealizadora do projeto Vozes dos Quilombos, também destacou a importância do evento. “A participação da Defensoria no SALIPI é um marco que revela o quanto nossa instituição é acreditada pela sociedade civil. O ambiente do SALIPI nos proporciona o encontro com uma pluralidade de pessoas que podem conhecer mais o que a nossa instituição faz e pode fazer. A palestra hoje demonstrou como ainda precisamos falar e defender os direitos mais básicos, não aceitando que nenhum grupo social seja excluído dos espaços”, afirmou.

A Defensora Popular Cláudia Lira, uma das debatedoras do evento, também falou sobre a ação promovida. “Esse evento foi muito importante, pois, além do conhecimento adquirido, é uma motivação a mais para nós. Esse evento e essas palestras são muito relevantes, pois vão te motivar, a você ver as adversidades da vida e não deixar que os problemas possam te parar, mas procurar ”, disse.

A Defensora Pública Ana Clara Ribeiro de Sousa Castro, Coordenadora da Escola Superior da Defensoria, falou sobre a realização do evento e destacou a ampla participação da comunidade durante o evento. “É necessário destacar a importância da participação da Defensoria Pública no SALIPI, especialmente com o tema “Defensoria e Diversidade”. Isso demonstra o compromisso da instituição com a promoção da igualdade e o acesso à justiça para todos. Foi uma oportunidade para ampliar o diálogo e a conscientização sobre questões de inclusão e direitos humanos.”, concluiu.

Também nesta sexta-feira, simultâneo ao ‘Cidadania com Café’, aconteceu no stand da Defensoria atendimento relacionado ao projeto “Meu Nome, Meu Orgulho”, projeto realizado pela Defensoria Pública do Piauí e coordenado pela Defensora Pública Patrícia Monte. A ação teve como objetivo proporcionar a educação e garantias em direito, bem como orientação jurídica, retificação de prenome e gênero no registro civil, direcionadas ao público não-binárie, travestis e transexuais, já tendo beneficiado considerável número de pessoas que vivem essa realidade.

Nos demais dias de Salipi, que acontece até o próximo dia 16 de junho, a população poderá buscar informações da Defensoria Pública no estande da instituição, onde estão sendo expostas publicações de Defensoras e Defensores Públicos, bem como repassadas informações sobre os projetos desenvolvidos e serviços prestados pela Instituição.

O espaço conta ainda com exposição de fotos, entre as quais as resultantes do projeto Elas por Elas, que tem por objetivo propiciar às mulheres privadas de liberdade o resgate da autoestima e a valorização pessoal, ajudando-as no processo de reinserção social.